sexta-feira, 17 de abril de 2009

Acredite, "Eles" existem...

Passeando, hoje pela net...
Encontrei este texto lindo, no blog do Olavo (Traços de um homem)!
Tudo que tem neste texto, é a mais pura verdade, eu tenho experiências doloridas, para comprovar...
Mas, tudo na vida é lição!!!
Hoje me sinto mais vacinada, para certas coisas...

* Vampiros...
Eu não acredito em gnomos ou duendes, mas vampiros existem. Fique ligado, eles podem estar numa sala de bate-papo virtual, no balcão de um bar, no estacionamento de um shopping.
Vampiros e vampiras aproximam-se com uma conversa fiada, pedem seu telefone, ligam no outro dia, convidam para um cinema.
Quando você menos espera, está entregando a eles seu rico pescocinho e mais.
Este "mais" você vai acabar descobrindo o que é com o tempo.
Vampiros tratam você muito bem, têm muita cultura, presença de espírito e conhecimento da vida.
Você fica certo que conheceu uma pessoa especial.
Custa a se dar conta de que eles são vampiros, parecem gente.
Até que começam a sugar você.
Sugam todinho o seu amor, sugam sua confiança, sugam sua tolerância, sugam sua fé, sugam seu tempo, sugam suas ilusões.
Vampiros deixam você murchinha, chupam até a última gota.
Um belo dia você descobre que nunca recebeu nada em troca, que amou pelos dois, que foi sempre um ombro amigo, que sempre esteve à disposição, e sofreu tão solitariamente que hoje se encontra aí, mais carniça do que carne.
Esta é uma historinha de terror que se repete ano após ano, por séculos.
Relações vampirescas: o morcegão surge com uma carinha de fome e cansaço, como se não tivesse dormido a noite toda, e você se oferece para uma conversa, um abraço, uma força.
Aí ele se revitaliza e bate as asinhas.
Acontece em São Paulo, Manaus, Recife, Florianópolis, em todo lugar, não só na Transilvânia.
E ocorre também entre amigos, entre colegas de trabalho, entre familiares, não só nas relações de amor.
Doe sangue para hospitais.
Dê seu sangue por um projeto de vida, por um sonho.
Mas não doe para aqueles que sempre, sempre, sempre vão lhe pedir mais e lhe retribuir jamais.

5 comentários:

Deusa disse...

Trabalho com vampiros, ja me entreguei para vampiros, o pior de conviver com eles é ter q se acostumar a carregar as marcas q eles deixam, por mais q seja experiencia a marca deixada te remete a acontecimentos q doem muito.
Dificil é conseguir reconhecer um em primeiro instante, eu pelo menos só percebo qnd estou quase marcada.

Adorei o post

jumartinezf disse...

Ola Silvia, faz tempo não comento teu blog. Adorei o texto da Martha, aliás ela é barbara. Concordo plenamente. Estejamos atentos`aqueles com caninos afiados...Beijos e ótimo domingo.

Daniel Savio disse...

Conheço alguns vampiros, mas como os combatemos?

Pois não pega bem enfiar uma estaca no coração deles...

Hua, kkk, ha, ha, brincadeira com um fundo de verdade e maldade.

Fique com Deus, menina Sílvia.
Um abraço.

Anônimo disse...

existemmm????????
Como assim, nao pode ser!

Diana disse...

Gostei imenso deste texto :)